/Colunas

Viroses de verão

domingo, 8 de janeiro de 2012 Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Munir Akar Ayub

Foto: DGABC
Munir Akar Ayub é infectologista do Hospital Brasil em Santo André. Foto: DGABC

Virose é denominação genérica, como o próprio nome sugere, de doença causada por vírus. Existem centenas de vírus que podem causar enfermidades no ser humano.  A fama de doença não diagnosticada vem da impossibilidade da definição etiológica na maioria dos casos. Como são doenças geralmente benignas e autolimitadas, o tratamento deve ser apenas sintomático, não sendo necessária a identificação do vírus. Com a chegada do verão, dois tipos tendem a se tornar mais comuns: as viroses gastrointestinais e as de vias respiratórias.

As viroses gastrointestinais são caracterizadas principalmente por vômitos, diarreia e dores abdominais. Já as de vias respiratórias têm como sintomas mais comuns tosse e coriza. A principal forma de transmissão ocorre por meio de água e alimentos contaminados, e pelo contato com as mãos dos doentes. Outras formas descritas são a concentração de pessoas em piscinas de clubes, ambientes fechados ou o compartilhamento de objetos pessoais como copos e talheres.

Para evitar que isso aconteça, é importante manter higiene pessoal adequada, lavando as mãos sempre que necessário. Outro cuidado básico é evitar o uso de gelo. Se preferir algo gelado, já que na maioria das vezes é difícil saber a procedência da água utilizada na produção, prefira água mineral ou refrigerante.

As orientações para quem apresentar esse quadro clínico são geralmente as mesmas: repouso, ingestão de muito líquido (chás, sopas, água de coco fresca, soro caseiro e a própria água filtrada). Os alimentos consumidos devem ser leves e pouco gordurosos. Arroz, carne magra, caldos e batata preparada como purê ou assada também são recomendados. A maioria das frutas está liberada para esses casos.

Outra recomendação importante é evitar o contato físico com outras pessoas enquanto os sintomas perdurarem.  Esse contato em casa, no ambiente de trabalho, festas ou lugares públicos pode fazer com que outros também contraiam a doença. No tratamento, raramente são indicados antibióticos, e só devem ser utilizados se receitados por médico.

Como não existem vacinas para a prevenção dessas viroses, é importante seguir as indicações citadas e sempre procurar ajuda médica em caso de sintomas mais graves.


Comentários

Nenhum comentário ainda. Seja o(a) primeiro(a) a comentar!

Nome:

E-mail:

Comentário:

Código segurança:

Voltar
Publicidade

Diário do Grande ABC. Copyright © 1991-2014. Todos os direitos reservados